sexta-feira, 6 de junho de 2008

A CAMPONESA E O REI




Era plena madrugada:
Lá na “Terra do Não Sei”,
A camponesa deitada,
Amava, em segredo, seu rei.

Que sonho mais impossível,
Quanta distância havia!
Que angústia indizível
A camponesa sentia.

Mesmo assim, noutro lugar,
O rei, entregue à tristeza,
Não parava de pensar,

Enquanto a saudade doía:
"Por aquela camponesa
Todo esse Reino eu daria..."


W.P

Um comentário:

Poemas e encantos disse...

Um encanto.
Parece um conto.
De carochinha.

um abraço.